Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Nóias&Manias

" The most courageos act is still to think for yourself. Aloud " - Coco Chanel

Nóias&Manias

" The most courageos act is still to think for yourself. Aloud " - Coco Chanel

Isto é tudo uma questão de hábito.

 
 
Antes de tudo tu tens uma vida, tens uma essência. Tu ages e reage de terminada maneira, tu falas e ris de terminadas coisas que tu és tu. Um ser independente que vai criando as próprias maneiras, pensamentos e costumes.
Depois conheces alguém que faz virar a tua cabeça e mundo de pernas para o ar e ao inicio até te esqueces de ser tu, esqueces-te de fazer as coisas da forma que gostas, de falar as coisas e como sempre fizeste quase até deixas de pensar a tua maneira. É a fase do encantamento, da descoberta e não venham cá com tangas que não é assim, que somos sempre nós próprios e bla, bla, bla porque não é assim. Todos nós já passamos por isso é se calhar mais do que uma vez.
O problema é quando isso ultrapassa um determinado tempo e tu vais-te adaptando ao que te estás a tornar deixas de ter tempo para estar com quem sempre tiveste, deixas de ter tempo de fazer o que sempre te fez feliz (tipo coisas mínimas) como o teu próprio espaço e liberdade de fazeres o que te apetece sozinha ou com as tuas amigas de sempre porque tens sempre o amor contigo na cabeça ou as costas, até porque estás com a cabeça cheia de amor e de encanto ou estás a descobrir novos lugares , caminhos e pessoas porque é isso que o amor nos traz de bom também é a descoberta de coisas novas.
E não quer dizer que não sejas tu, que não sejas a tua essência mas vais abrindo mais de coisas que nem te a percebes.
Depois mesmo que o amor perdure, a fase da descoberta e do encanto acaba.
E tu começas a sentir falta das coisas de antes, começas a tentar fazer de novo mas ai bem a barreira do amor ele não está habituado a isso. E começam as discussões, ciúmes, brigas só porque desde início não foste tu e agora que queres ser pode existir mudança e isso gera o conflito.
Mas é mesmo tudo uma questão de hábito, tens de habituar o amor desde início desde o começo para que possam percorrer o caminho certo.
Mas isto serve/acontece para os dois que encontram (o as vezes) parvo do amor. É assim das duas partes.
Temos tendência a anular-nos um bocadinho, mas isso não pode mais acontecer, temos de fazer o que nos faz feliz o que nos faz sentir vivos ckaeo6que sempre respeitando o amor e tentar que as duas partes possam coexistir juntas.

4 comentários

Comentar post